112 anos de prisão para assassinos de idosos de Novo Horizonte

Dois réus foram condenados nesta terça-feira (14), um deles recebeu a pena de 63 anos de reclusão e outro de 49 anos. Terceiro envolvido está foragido e ainda não foi julgado. Crime foi em junho de 2018

Menos de um ano após um crime que chocou a região Oeste, dois réus foram condenados pela Justiça a penas que somadas passam de 112 anos de prisão. Cristiano Gross de Matos e Rodrigo Alves da Silva foram condenados pelo assassinato do casal Honorino e Brandina Paster, de 85 e 82 anos de idade.

Segundo o Ministério Público, os dois foram condenados por latrocínio em julgamento nesta terça-feira (14). Cristiano Gross de Matos recebeu a pena de 63 anos, um mês e 10 dias de reclusão, e Rodrigo Alves da Silva a pena de 49 anos e 8 meses de reclusão, ambos em regime inicial fechado.

O terceiro denunciado, Ians Brum Kurek, tem a prisão preventiva decretada, mas permanece foragido e ainda não foi julgado. Os outros dois adolescentes envolvidos no fato já foram condenados na seara da infância e juventude e encontram-se cumprindo medida socioeducativa de internação.

Denúncia

De acordo com a denúncia da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de São Lourenço do Oeste – que abrange também o município de Novo Horizonte -, no dia 12 de junho de 2018, por volta das 2h, os denunciados Cristiano, Ians e Rodrigo, acompanhados de dois adolescentes, deslocaram-se de Chapecó em um veículo furtado no dia anterior, até a residência das vítimas no município de Novo Horizonte.

O grupo tinha como objetivo roubar uma elevada quantia em dinheiro que supostamente o casal mantinha em um cofre dentro de casa. Quando chegaram na residência das vítimas, enquanto um dos adolescentes aguardava no carro, os demais entraram na residência e renderam os idosos.

Após localizarem o cofre, os autores passaram a torturar as vítimas para conseguirem a senha para abri-lo, causando intenso sofrimento físico e moral. Como não conseguiram a informação que buscavam, o grupo acabou matando as vítimas por asfixia.

Depois, colocaram o cofre no carro do casal e fugiram usando dois carros. Mas ao chegar em Chapecó, o veículo usado por eles para ir até Novo Horizonte teve problemas mecânicos e foi abandonado. Todos os envolvidos seguiram a fuga no carro das vítimas.

Uma guarnição da PM suspeitou da movimentação e iniciou a perseguição ao carro, até o momento em que os criminosos bateram contra um poste e fugiram a pé. Os dois adolescentes e Cristiano foram presos em flagrante pela polícia, junto com o produto do roubo. Rodrigo foi capturado cerca de dois meses depois, após a polícia receber uma denúncia anônima de seu paradeiro.

Os dois permaneceram presos provisoriamente durante toda a ação penal. Já Ians Brum Kurek está com mandado de prisão preventiva em aberto, uma vez que até o momento não foi encontrado para responder pelo crime que cometeu. Qualquer informação sobre sua localização pode ser informada aos órgãos de segurança pública, inclusive de forma anônima, pelo disque-denúncia 181.

Diante dos fatos e provas apresentados pelo Ministério Público, os dois réus foram condenados pelos crimes de latrocínio e corrupção de menores pelo Juízo de Direito da Comarca de São Lourenço do Oeste. Cabe recurso da decisão.

Grupo foi preso ao chegar em Chapecó, em abordagem da Polícia. Foto: Bia Piva/Arquivo/Diário do Iguaçu

Ao chegar em Chapecó, carro usado pelos criminosos bateu contra um poste. Foto: PM

Fonte: Diário do Iguaçu / Com informações do Ministério Público de Santa Catarina