Conta de luz deve ficar em torno de 4% mais cara no mês de setembro em SC

Aumento é resultado da mudança de bandeira, que ficara em vermelha um no mês de agosto conforme anunciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)

A tarifa de energia elétrica dos catarinenses vai ficar mais cara em setembro. O patamar de cobrança mudou em agosto, passando a valer bandeira vermelha 1, com custo adicional de R$ 4 para cada 100 quilowatts-hora consumidos. Até o mês de julho, com a bandeira amarela, o valor era de R$ 1,50 a cada 100 quilowatts-hora.

O aumento foi anunciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e é válido para todo o país. Em Santa Catarina, segundo o assistente da Diretoria Comercial da Celesc, Vanio Moritz Luz, uma família de quatro pessoas deverá gastar em média entre R$ 200 e R$ 250 por mês com a nova bandeira.

Custo de energia mais alto

A maior parte da energia elétrica distribuída em SC é gerada a partir de usinas hidrelétricas, que produzem eletricidade por meio da força das águas. Nos períodos de falta de chuva, os reservatórios das hidrelétricas têm sua capacidade reduzida, resultando na diminuição da capacidade de produção.

Para suprir a demanda, o Operador Nacional do Sistema (ONS) aciona as usinas termelétricas — chamadas também de térmicas — que produzem energia por meio da queima de carvão ou óleo diesel. As termelétricas são as últimas a serem acionadas, pois é seguida a ordem da produção mais barata para a mais cara.

De acordo com Vanio Moritz Luz, o aumento na conta de luz acontece porque fica mais caro produzir energia.

— O custo de uma usina térmica é bem mais levado, de duas a três vezes mais do que a produção de energia hidrelétrica — explica.

A quantidade de água dos reservatórios das hidrelétricas é um dos fatores considerados no cálculo do custo de energia, feito mensalmente e aplicado por meio da bandeira tarifária em vigor desde 2015. Atualmente, há reservatórios com capacidade de produção abaixo da metade, como é o caso das unidades presentes nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, que estão em 44%, o que afeta também o valor praticado no Estado.

Moritz Luz explica que parte da energia distribuída em Santa Catarina é comprada de usinas localizadas nessas regiões do país, por meio de leilão. Por isso, as condições climáticas desses lugares também impactam SC, mesmo se o Estado estiver em um período chuvoso.

Além disso, apesar de o verão ser associado como a estação com maior consumo de energia, Mortiz Luz explica que no inverno também há regiões que aumentam a demanda.

— Nessa época o Litoral reduz, mas na Serra e no Planalto Sul usa-se muito aquecedores, que consomem tanto quanto um ar-condicionado — diz.

Caso a falta de chuva continue, poderá ser acionada a bandeira 2, com custa de R$ 6 a cada 100 quilowatts- hora. O retorno à bandeira amarela ou verde, e, consequentemente a diminuição do valor da tarifa, dependerá das condições climáticas.

Agosto de pouca chuva em SC

Ainda que a distribuição de energia dependa de outros estados, Santa Catarina também enfrenta um período de tempo seco. Seguindo a tendência dos meses de junho e julho, a previsão para o mês de agosto é de chuva abaixo da média no Estado.

— Segundo a previsão climática agosto deverá ficar abaixo da média e setembro deve chover próximo à média histórica. A chuva para os próximos 10 dias é de somente 20 a 40 mm em média, segundo os meteorologistas — explica Guilherme Miranda, pesquisador de Hidrologia da Epagri/Ciram e mestre em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental.

No mês de julho, todas as regiões do Estado registraram índices de chuva abaixo da média. Os municípios do Meio-Oeste foram os que mais sentiram com a estiagem. Na região choveu apenas 39,8 milímetros dos 156,9 esperados para a quantidade média do mês.

Desde junho essa condição tem persistido no Estado, após o mês de maio ter sido bastante chuvoso, de acordo com o meteorologista Clovis Correa, da Epagri. O resultado é um tempo mais seco.

— As frentes frias não estão chegando em nossa região, elas estão se desviando principalmente do Uruguai para o oceano, perdendo força já no Rio Grande do Sul. Elas até estão passando [em SC], mas com fraca intensidade em relação à chuva — explica.

Apesar de ser comum a associação imediata da frente fria com a queda de temperatura, o volume de chuva é a principal caraterística dessa condição climática. O frio é apenas resultado da massa de ar que acompanha a frente fria, conforme explica o meteorologista.

— Mesmo com a previsão de passagem de uma frente fria entre os dias 10 e 12 de agosto, ela não será tão significativa — ressalta Correa.

Custos adicionais: como era e como ficou

Desde 2015, o custo adicional gerado pela produção de energia chega até o consumidor sinalizado pelas bandeiras tarifárias, que são dividas em três cores. Elas indicam a condição da geração de energia e, consequentemente, quanto isso impactará no custo e no valor da conta.

A lógica é semelhante à adotada no trânsito, por meio dos semáforos: bandeira verde indica que não há custo adicional, bandeira amarela sinaliza alerta e bandeira vermelha 1 e 2, significa que as condições para a geração de energia estão mais caras.

Antes da existência da bandeira tarifária, em 2015, isso funcionava de outra forma. O assistente da Diretoria Comercial da Celesc, Vanio Moritz Luz, conta que a despesa real que a distribuidora tinha com energia era calculada pela Aneel ao longo de um ano.

Geralmente, o valor era maior do que a tarifa final e, por isso, o valor adicional era cobrado dos consumidores pelos 12 meses seguintes, segundo ele.

— Isso fazia com que a distribuidora tivesse que arcar com o custo por um ano e somente no ano seguinte poderia cobrar do consumidor. Essa nova metodologia busca cobrar no mês seguinte o custo adicional que não está contemplado na tarifa. Evita ônus à distribuidora e sinaliza ao consumidor a situação real daquele mês — finaliza.

Veja dicas que ajudam a economizar na conta de luz:

• Tomar banhos mais curtos, de até cinco minutos;

• Selecionar a temperatura morna no verão;

• Verificar as potências no seu chuveiro e calcular o seu consumo;

• Regular a temperatura interna da geladeira de acordo com o manual de instruções;

• Evitar colocar alimentos quentes dentro da geladeira;

• Deixar espaço para ventilação na parte de trás da geladeira e não utilizá-la para secar panos;

• Descongelar a geladeira e verificar as borrachas de vedação regularmente;

• Quando possível, retirar da tomada aparelhos eletrônicos em modo de espera, como televisores, rádios, consoles de videogames, fornos de micro-ondas e computadores.