Anúncio de medidas já em vigor mostram a desorganização do Governo do Estado frente a pandemia;

As medidas anunciadas ontem pelo governador, Carlos Mois da Silva (PSL), para a intensificação do isolamento social não são novidade, aliás, muitas delas já estavam valendo, vede a questão das casas noturnas.

Além disso, cinemas, teatros, shows e demais eventos que provoquem aglomerações também seguem proibidos, portanto, Moisés assinou um decreto para dizer que está fazendo algo, quando é notório o problema de sua gestão frente a pandemia.

O fato é que temos um governo perdido, que para se livrar do desgastejogou a bola para os prefeitos e, quando precisa tomar uma atitude de fato, mostra total fragilidade. Defender um governo que claramente não sabe o que faz, é no mínimo desrespeitoso com a população catarinense.

É importante dizer que em algumas regiões os hospitais começam a ter o estrangulamento de sua capacidade de atendimento em UTls. Não há uma
orientação sequer, do secretário de Estado da Saúde, André Motta, sobre o encaminhamento de eventuais pacientes graves por causa do Coronavírus, para hospitais de referência.

Se o governo não tivesse sido tão aloprado na questão dos hospitais de campanha, poderia com base em um planejamento, ter elaborado um projeto desses hospitais para atendimento de baixa e até média complexidade, deixando os hospitais neste momento para os pacientes mais graves, mas, não é o cenário que vemos hoje.

Eu sempre gosto de repetir, Moisés foi corajoso e tomou a atitude correta no início da pandemia, quando estabeleceu o isolamento social, mas não pode seguir querendo surfar numa medida que deu resultado num primeiro momento, mas que não é tudo. Santa Catarina tem apresentado aumento de casos e, o mais grave, sem mostrar que tem um plano real de enfrentamento da doença com um aparelhamento mais eficaz dos hospitais e, com a criação de mecanismos que suprem eventuais colapsos.

Fonte: MarceloLula