Após ser abandonado duas vezes em RS, cão com deficiência procura um novo lar

A comoção com a história de Tintim, um cão de São Leopoldo com deficiência que foi abandonado duas vezes no mesmo dia na última quinta-feira (2), ativou o interesse de dezenas de pessoas em adotá-lo. Segundo o secretário de Proteção Animal da cidade, Anderson Ribeiro, 20 entrevistas com candidatos estão agendadas e cinco já foram feitas nesta segunda-feira (6). Por enquanto, porém, a agenda ainda está aberta a interessados.

A suspeita de Ribeiro é de que o casal tutor de Tintim tenha brigado, a esposa tenha abandonado o cão em frente à empresa do marido e ele, então, tenha carregado o animal até a sede da Secretaria Municipal de Proteção Animal (Sempa), alegando que não o conhecia e havia o encontrado na rua. O caso chamou atenção depois que um vídeo que registrou o primeiro abandono foi divulgado.

As imagens de uma câmera de videomonitoramento mostram uma mulher parando com um carro e abrindo a porta do veículo, de onde desembarcam dois cachorros. Ela coloca um dos animais de volta no automóvel e deixa Tintim de fora, que tenta segui-la. A mulher, então, o empurra para longe, fecha a porta e arranca o carro. O cãozinho fica desorientado, tentando farejar o rastro da dona, e aparece caminhando pelos arredores.

O registro de um boletim de ocorrência online foi iniciado na sexta-feira (3) e concluído nesta segunda por Ribeiro. A história está sendo investigada pela 1ª Delegacia de Polícia de São Leopoldo. Segundo a delegada do Departamento de Polícia Metropolitana, Adriana Regina da Costa, não há data para a conclusão do inquérito, mas está sendo dada “atenção especial” para o caso.

Para que Tintim não sofra maus-tratos novamente, o secretário decidiu fazer um questionário com o objetivo de distinguir quem realmente ama os animais de quem apenas se comoveu com a repercussão.

— Faremos uma série de entrevistas até a próxima sexta-feira (10). Não temos pressa. Ele está muito bem sob nossos cuidados e só será liberado para quem de fato merecer — destacou Ribeiro, que, enquanto o cão não encontra um novo lar, o abriga no seu próprio gabinete.

Thales Ferreira / Divulgação/Secretaria Municipal de Proteção Animal
Enquanto seu novo lar não é escolhido, o cachorro está abrigado no gabinete do próprio secretário de Proteção AnimalThales Ferreira / Divulgação/Secretaria Municipal de Proteção Animal

Uma das preocupações do secretário em relação ao futuro adotante diz respeito ao tipo de piso existente na sua residência.

— Por conta da deficiência nas patas (o cão tem as duas patas dianteiras atrofiadas), ele arrasta muito o pescoço no chão. A casa do adotante deve ter piso frio, sem britas ou ranhuras para não machucar o pescoço do cão. Queremos uma adoção consciente — alerta.

Ribeiro espera que a comoção gerada por Tintim sensibilize as pessoas para a necessidade de adoção.

— O canil conta com 30 animais amputados, outros 20 com paralisia, 10 são cegos. Portanto, temos outros cães com dificuldades parecidas com a do Tintim que precisam de acolhimento — reforça.

A Sempa calcula em cerca de 6 mil o número de cachorros em situação de rua em São Leopoldo. Desses, 300 estão no canil municipal.

Interessados em adotar Tintim devem agendar entrevista na Sempa pelo telefone (51) 3592.9981.