Bilhões em pedras preciosas em Chapecó geram reforço policial na cidade

A segurança de um valor bilionário em pedras preciosas precisou ser reforçada, nas últimas horas, em Chapecó no Oeste de Santa Catarina. A ação faz parte de uma investigação da PF (Polícia Federal).

O ND+ apurou que as informações iniciais indicavam para uma grande quantidade de dinheiro em uma empresa de valores, no acesso ao Município, podendo inclusive ter algum envolvimento com o recente roubo ocorrido em Criciúma, o que foi descartado.

Agentes da Polícia Federal e da Polícia Militar estiveram no endereço, ainda na quarta-feira (9) e a possibilidade de envolvimento no crime foi descartada, segundo contou fonte exclusiva para o ND+. Pois a quantidade do valor depositado na empresa se refere a pedras preciosas e não em dinheiro, conforme o que foi roubado no Sul do Estado.

Os materiais foram apreendidos e levados para a Delegacia da Polícia Federal em Chapecó, onde ainda são totalizados. As pedras foram periciadas durante a manhã e o valor oficial não foi revelado.

“O volume de pedras é muito grande, superou, inclusive, a expectativa da Polícia Federal. São bilhões”, afirmou uma fonte  à reportagem.

Para o transporte das pedras, foi necessário acionar equipes da Polícia Militar e do helicóptero do Saer-Fron que fizeram a segurança do trajeto, ainda na quarta.

Delegacia isolada

A Delegacia da Polícia Federal em Chapecó está isolada na nesta quinta-feira (10). Policiais militares fortemente armados fazem a segurança do local.

O Saer-Fron informou no início da tarde que também presta apoio à Polícia Federal. O ND+ procurou a PF, mas a instituição deve se manifestar somente no fim do dia.

Fonte: ND Mais / Foto: Diego Antunes/ND