Governo de Chapecó quer devolução de área de onde está a Epagri

A Prefeitura de Chapecó segue com as tratativas para reaver uma área de 85 hectares que foi cedida para a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), na década em 1940, e para Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), em 1979. No local funciona o Centro de Pesquisa para Agricultura Familiar (Cepaf) da Epagri. Em julho, o prefeito João Rodrigues (PSD) esteve em Brasília e foi à Embrapa para tratar sobre o assunto.

A proposta da Prefeitura é que a área experimental da Epagri seja deslocada para a área rural, mais adequada para este tipo de trabalho. De acordo com o prefeito, quando a área foi doada à Embrapa, e cedida à Epagri, ficava distante, porém, agora está no meio da cidade e o local é necessário para a abertura de novas ligações para o bairro Efapi. Rodrigues afirmou que estas tratativas são amistosas e que a devolução desta área para a Prefeitura é de interesse público.

Se a proposta não avançar, não se descarta retomar a área através das publicações de decreto. O projeto da administração é com a devolução da terra ao município de Chapecó, o Centro de Pesquisa para Agricultura Familiar seja transferido para fora da zona urbana, o que seria o mais adequado à pesquisa e preservaria a área de laboratórios. Na área atual serão construídas vias estruturantes importantes para a mobilidade urbana e a ideia também é implantar um Parque.

O secretário de Governo, Thiago Etges, comentou que a Prefeitura precisa fazer a abertura de vias estruturantes. “Nós fizemos pedido formal para a Embrapa de retorno daquela área para o município de Chapecó, e estamos aguardando. A lei que autorizou, em 1979, a doação de 35 hectares para a Epagri prevê o direito de abrir vias estruturantes. Se não conseguirmos chegar a um bom termo para devolução da área, nós vamos exercer o que está previsto em lei”, disse.

Conforme Etges, se toda a área voltar para o município, será elaborado ainda um projeto para a construção de um Parque público. Quanto às vias, por enquanto existem somente projeções, que tratam das continuações da avenida Coronel Licínio Córdova, no bairro São Cristóvão, e da rua Brusque, no bairro Bela Vista, indo em direção ao bairro Efapi; ainda a extensão da avenida Ernesto José De Marco (a antiga rua Araras), atravessando os bairros Engenho Braun e Jardins.

De acordo com o secretário de Planejamento e Desenvolvimento de Chapecó, Valmor Scolari, Chapecó precisa de novas vias estruturantes nos sentidos norte-sul e leste-oeste em direção à área Oeste, com o objetivo de desafogar o trânsito da avenida São Pedro, que é a principal via que liga o Centro ao bairro Efapi. “O projeto de um Parque na área depende da sua devolução. Seria um segundo passo. O primeiro é a abertura de vias para melhorar a mobilidade urbana”.

A história das doações

A doação da área possui dois momentos distintos. Parte da terra foi repassada ao Ministério da Agricultura na década de 1940 e, depois, também houve a doação para a Epagri, em 1979. O Plano Diretor de 2014 classificou o local como uma Área Especial de Interesse Institucional, permitindo a implantação e manutenção de equipamentos públicos urbanos e comunitários e índices e parâmetros urbanísticos. E a abertura de vias consta no Plano de Mobilidade Urbana.