Maior cooperativa agrícola da América Latina antecipa R$ 194 milhões em sobras

Maior cooperativa agrícola da América Latina, a Coamo, vai antecipar a seus associados o pagamento de parte das sobras registradas em 2021.

Na próxima segunda-feira (13), os aproximadamente 30 mil cooperados vão receber R$ 194 milhões da cooperativa paranaense, que além do Paraná, também atua em Santa Catarina e no Mato Grosso do Sul.

presidente dos Conselhos de Administração da Coamo e Credicoamo, José Aroldo Gallassini, destaca que a tradição de antecipar as sobras é um benefício comemorado pelo quadro social da cooperativa. “Os cooperados sabem que dezembro é o mês de antecipação das sobras, é um momento aguardado, e isso só é possível devido a solidez da cooperativa”, diz.

De acordo com Gallassini, 2021 foi um ano difícil, pois o país ainda está passando pela pandemia. Para a agricultura, 2021 também não foi fácil devido ao clima.

“Foi um ano em que tivemos de tudo um pouco. As lavouras sofreram, principalmente, com seca e geadas causando perdas na produção de soja, milho segunda safra e trigo. Por outro lado, os preços contribuíram e o resultado acabou sendo satisfatório”, afirma.

Galassini revela que a receita global da Coamo deverá fechar em R$ 23 bilhões, um recorde histórico. “Os números ainda dependem de fechamento do balanço e o valor será apresentado na Assembleia Geral Ordinária, no início de fevereiro de 2022”.

O presidente explica que a antecipação das sobras é referente aos produtos comercializados pelos cooperados até 30 de novembro.

“Temos um volume grande de soja e milho entregues na cooperativa, mas que ainda não foram comercializados pelos cooperados. Temos, também, os insumos para a segunda safra de milho, que não entram nas sobras porque foi efetuado o pedido, mas ainda não foi retirado. Contudo, o valor antecipado é grande e o cooperado faz com esse dinheiro o que desejar. Geralmente, eles usam para passar o fim de ano com a família, pois sabem que o valor maior das sobras será em fevereiro quando utilizarão para pagamento das contas e investimento na propriedade”.