Moradores encontram sítio arqueológico em Iraí

O que seria um dia normal de trabalho se transformou em uma descoberta arqueológica para uma família de agricultores no interior de Iraí. Durante o mês de maio, enquanto trabalhavam na abertura de um silo, cavando na terra, um grupo de moradores percebeu a presença de materiais incomuns emergindo no solo da propriedade, situada às margens do encontro das águas dos rios Uruguai e da Várzea.

Imediatamente depois de perceberem os materiais, os moradores pararam as atividades e identificaram uma série de artefatos, como fragmentos de vasos de cerâmica ornamentados, produzidos a partir de barro cozido, além de ossadas humanas, todas dispersas em meio à terra remexida. Os objetos chamaram a atenção dos agricultores, que contataram a Polícia Civil (PC) de Iraí para averiguar o local.

Foi a partir da visita da PC que a existência do sítio arqueológico chegou ao conhecimento do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) de Porto Alegre. Responsável pelo estudo deste tipo de achado, o órgão informou à reportagem do AU que se trata de um enterramento indígena, onde comumente os ossos são depositados em urnas funerárias de cerâmica. Ainda conforme o Iphan, que não possui previsão para recuperar os materiais encontrados, essa não é a primeira descoberta realizada em Iraí. Até o momento, segundo o órgão, já são 40 sítios arqueológicos registrados no município, de acordo com o Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos (CNSA).

Materiais sem rumo definido

Enquanto o Iphan inicia o processo administrativo para conduzir o caso, os materiais seguem na propriedade em Iraí. Conforme um dos moradores, a orientação repassada foi de que o local não voltasse a ser mexido por enquanto, e que os artefatos fossem novamente enterrados.

Fonte: www.oaltouruguai.com.br