MPF denuncia presidente da Alesc, Julio Garcia, e mais cinco pessoas na operação Alcatraz

O Ministério Público Federal (MPF) denuncia nesta segunda-feira mais seis pessoas dentro da operação Alcatraz. O presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), Julio Garcia (PSD), seria um dos nomes, segundo fonte ouvida pela coluna. O processo tramita em segredo de Justiça. O parlamentar havia sido indiciado em outubro de 2019 pela Polícia Federal (PF) na investigação sobre supostas irregularidades dentro da secretaria de Administração do Estado. A denúncia será entregue no sistema da Justiça Federal ainda nesta segunda-feira (14).

Na informação divulgada pelo MPF, Garcia foi citado como ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC), condição que ocupava na época da investigação. De acordo com o órgão, as seis pessoas denunciadas nesta segunda são acusadas “de lavagem de dinheiro, por ocultarem a origem, disposição, movimentação e propriedade de recursos oriundos de propinas recebidas em licitações e contratações fraudadas e de bens adquiridos com esses valores”.

A força-tarefa da operação Alcatraz também quer a reparação de, no mínimo, R$ 2.337.691,31 (em valores da época). O valor foi apurado durante a investigação. O MPF diz que os “fatos objeto da denúncia envolvem vultosos pagamentos realizados pelo operador financeiro para a aquisição de bens – apartamentos, terreno e 103 vagas de garagem em prédio comercial – e outras despesas pessoais do ex-conselheiro e de seus familiares, com recursos oriundos de contratações e licitações fraudadas pela organização criminosa”.

O órgão ainda aponta a ligação do presidente da Alesc com Nelson Castello Branco Nappi Junior, ex-secretário adjunto de Administração. Nappi seria o operador financeiro e teria uma “conta corrente” com o agora presidente da Assembleia, conforme aponta a investigação da PF. Os repasses do operador para Garcia, de acordo com o MPF, teriam sido de R$ 2,7 milhões.

Os valores de propina, de acordo com a denúncia, são oriundos de licitações e contratações fraudadas realizadas até 2018. A nova denúncia apresentada na Justiça Federal de Florianópolis é assinada pela subprocuradora-geral da República Samantha Chantal Dobrowolski e pelos procuradores da República Alisson Campos, Carlos Humberto Prola Junior, Douglas Guilherme Fernandes, Lucas Aguilar Sette e Mário Sérgio Ghannagé Barbosa.

Contraponto

Assessoria do deputado Julio Garcia disse ele não tem nenhuma informação sobre a denúncia. Antes de ter acesso ao material, o parlamentar não vai se manifestar.

A defesa de Nelson Nappi Junior disse que ainda não teve acesso à denúncia. Segundo o advogado Leonardo Pereima, o ex-secretário nega envolvimento “em qualquer irregularidade”.

Fonte: NscTv