Mundo vai parar, empresa pequena quebra e ricos dominam, dizem analistas

A pandemia do coronavírus vai jogar o mundo inteiro em uma recessão este ano e alterar de maneira permanente a forma com que países e empresas fazem negócios, dizem economistas. Para especialistas em relações internacionais, as medidas tomadas por governos para conter o avanço da covid-19 em 2020 terá dois tipos de impacto. No curto prazo, a riqueza mundial, medida pelo PIB, vai diminuir, isso é quase certo. E, no longo prazo, governantes e corporações vão mudar a forma com que produzem, compram e vendem produtos e serviços.

Os países mais ricos do mundo, como Estados Unidos e China, com mais dinheiro para ajudar empresas em dificuldades, devem ocupar espaço das nações com menor poder financeiro, como Brasil, Argentina, México, Espanha ou Itália. Esses terão mais casos de falências no setor privado. Da mesma forma, as companhias de grande porte, com mais recursos em caixa e maior acesso às linhas de financiamento, vão se aproveitar do espaço deixado no mercado por pequenas e médias empresas que sucumbirem à recessão.

Não acredito em reversão da globalização, mas sim em um processo que vai perder velocidade e no qual o peso político das decisões de investimento será revisto. Vejo a possibilidade de maior concentração econômica, e nesse processo os países emergentes tendem a sofrer mais
Oliver Stuenkel, coordenador do programa de pós-graduação da Escola de Relações Internacionais da FGV, mestre em Políticas Públicas pela Kennedy School of Government de Harvard University, e doutor em Ciência Política pela Universidade de Duisburg-Essen, na Alemanha

Recessão no mundo todo

Os economistas são quase unânimes em afirmar que haverá recessão global em 2020. Os países vão produzir menos este ano que em 2019. Segundo a firma de gestão de recursos e consultoria Schroders, citando pesquisa da empresa de informações Thomsom junto a analistas, o PIB do mundo vai ter retração de 3,1% este ano em comparação com 2019. Uma estimativa bem pior do que a que havia antes do coronavírus, que apontava para um crescimento de 2,3%.

Os Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, até aparecem com uma estimativa de crescimento, mas isso se deve exclusivamente à China. Os demais países desse bloco devem ter recessão em 2020, incluindo o Brasil.

Por enquanto, estamos sentindo apenas os efeitos financeiros dessa crise, com as perdas nas Bolsas e nos mercados. Mas logo vamos começar a sentir os efeitos na economia real, com mais perdas de vendas, falta de produtos e mais desemprego
Fábio Astrauskas, professor do Insper e mestre em Administração pela FEA-USP, com foco em planejamento e administração na recuperação judicial

Os países mais ricos e empresas com mais caixa vão se recuperar mais rapidamente desse tombo, afirma Astrauskas. Assim, enquanto o restante do mundo estiver passando por uma retomada lenta, os líderes globais poderão ocupar espaços no mercado, alterando de forma definitiva o desenho atual das cadeias de produção.

“Após a recessão, vamos ter um aumento da concentração da riqueza no mundo. Isso já vem acontecendo e vai se acelerar. Esse vai ser o grande debate após passada a pandemia, porque a concentração tem efeitos sobre a renda. Então, serão necessários novos marcos regulatórios que estimulem a distribuição de renda”, afirma Astrauskas.

Sem ajuda, empresas pequenas vão quebrar

A recessão de 2020 provocada pelo covid-19 vai afetar empresas e países de forma diferente. Será mais severa sobre quem for mais frágil. Se os governos não agirem para socorrer as pequenas e médias empresas, liberando linhas de crédito ou adiando ou cortando recolhimento de impostos, por exemplo, haverá maior mortalidade entre os menores empreendedores.

E isso acaba afetando diretamente bilhões de pessoas. Segundo a Organização Mundial do Comércio, em 2018, as pequenas e médias empresas representavam cerca de 70% do emprego global no mundo corporativo. Nas economias em desenvolvimento, caso do Brasil, esse segmento responde por mais de 55% do PIB.

O problema é que essas empresas já estão perdendo participação na economia mundial por causa da globalização. Com mais dinheiro em caixa e maior acesso ao capital, as grandes corporações estão tirando fatias de mercado e de clientes dos empreendedores regionais.

Segundo o Global Policy Forum, ONG formada em 1993 por economistas de todo o mundo, as 200 maiores corporações do planeta aumentaram de 24% para 30% a fatia que detêm na produção global ao longo dos últimos 20 anos. Esse processo deve se aprofundar se os governos não adotarem práticas de proteção às pequenas e médias companhias.

Deveria valer a mesma recomendação que estamos dando aos cidadãos sobre o coronavírus. Se você é saudável, deve evitar entrar na área de pessoas mais frágeis para não provocar a morte delas. Da mesma forma, empresas mais fortes não deveriam, neste momento, invadir mercados das pequenas e médias empresas para evitar que essas morram
Paulo Dutra Costantin, coordenador do Curso de Ciências Econômicas da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), professor titular das disciplinas de microeconomia, economia internacional, Mercados Financeiros e Análise de Conjuntura nos cursos de Economia, Relações Internacionais e Administração

O problema, apontam os economistas, é que os governos tendem a ajudar primeiro as grandes empresas. “Pelo que vimos na crise de 2008, são as grandes corporações que recebem a maior parte dos aportes dos governos. Vamos lembrar que várias empresas privadas foram salvas nos Estados Unidos com a estatização na crise de 2008”,afirma Oliver Stuenkel, da FGV.

Países ricos mais ricos

Da mesma forma, grandes potências econômicas devem ampliar a participação no PIB global. Segundo dados do Banco Mundial, a China, por exemplo, que detinha menos de 5% do PIB global em 1980, hoje já tem mais de 15% da economia do planeta. Por outro lado, países como o Brasil ficaram praticamente estagnados, enquanto outros, como Espanha, Alemanha e França, regrediram.

“Por que a China conseguiu isso: atrair empresas e investimentos e se tornar a grande indústria do mundo? Não foi apenas por causa do mercado interno ou da mão de obra barata. Houve investimento em tecnologia e leis de atração de investimentos”, afirma Paulo Dutra, da Faap.

Para Stuenkel, da FGV, o forte e rápido crescimento da China criou um novo receio entre os demais países. A pandemia do coronavírus, que começou por lá, mostrou que depender de um único parceiro pode ser perigoso.

“Os países vão começar a pensar mais em que tipo de produção precisa ser interna para depender menos do exterior, como vacinas, alimentos, equipamentos, mesmo que isso seja mais caro”, afirma Oliver Stuenkel, da FGV.

“Acredito em um processo de redução de dependência mútua de China e Estados Unidos. Haverá uma busca de equilíbrio entre eficiência econômica e risco político”, afirma o especialista.

Os países terão que entrar em um novo desenho da cadeia de produção, acredita Stuenkel. As economias mais ricas vão buscar elevar a produção interna.

E aquela parte da produção que tiver que ser importada deverá ser descentralizada, ou seja, com fornecedores e etapas da cadeia de fornecimento localizados em mais de um país.

Cabe então aos países emergentes buscarem uma inserção nesse novo desenho. O professor da FGV cita o Vietnã, que tem recebido investimentos dos Estados Unidos por parte de empresas que decidiram diversificar sua rede de fornecedores para não depender da China exclusivamente.

Brasil em desvantagem

O problema do Brasil nesse redesenho, afirmam economistas, é que o país não tem uma posição clara sobre em quais setores quer ser mais forte para atrair investimentos.

“A gente tem que repensar esses centros de produção para ver como o Brasil pode se inserir nesse contexto. Temos que fazer abertura comercial, mas associada a políticas de financiamento para inovação e outras medidas de ganhos de competitividade”, afirma Paulo Dutra, da Faap. “Como não vejo isso hoje, acho que o Brasil vai perder espaço na economia global”.

Como sequela da pandemia do coronavírus, o protecionismo deve aumentar, dizem economistas.

“O que pode ocorrer é que países de setor agrícola, por exemplo, mesmo ineficientes nessa atividade, venham a se opor mais fortemente a acordos comerciais. Caso da França, que deve se opor à ratificação do acordo de Livre Comércio com o Mercosul”, afirma Oliver Stuenkel, da FGV.

Ou seja, para ele, a América Latina tende a sofrer mais com esse quadro por causa de sua dependência de commodities (matéria-prima).