Oito pessoas são presas no Oeste de SC durante Operação do Gaeco

A Operação Maserati, coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO), foi deflagrada nesta quinta-feira (25).Em Chapecó e no Oeste de Santa Catarina, segundo a Polícia Militar (PM), que participou da ação, oito pessoas foram presas. O objetivo foi desarticular uma facção criminosa, que pretendia se expandir em Santa Catarina.

Além da Polícia Militar, envolveram-se forças de segurança estaduais e federal (Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal, Instituto Geral de Perícias e Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa). Conforme a PM de Chapecó, além do município, foram cumpridos mandados de busca e apreensão e prisão em Coronel Freitas e Xanxerê.

A Operação também teve ações em outros estados do Brasil. Durante a ação no Oeste de Santa Catarina, foram abordados e cumpridos os mandados de prisão contra sete homens, com idade de 20 a 31 anos, e uma mulher, de 22 anos. Eles foram detidos e encaminhados ao Complexo Penitenciário de Chapecó, onde ficarão à disposição da Justiça.

A Operação Maserati

Segundo o GAECO, foram cumpridos 120 mandados de prisão e 142 de busca e apreensão em 45 cidades e em seis Estados da Federação – São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.O GAECO identificou que a facção criminosa tinha como objetivo primordial a expansão da atuação no estado de Santa Catarina, com foco na região de fronteira – entre as cidades de São Miguel do Oeste, Chapecó e Dionísio Cerqueira. O grupo atuava também na região de Joinville em razão da proximidade dos Portos de Santa Catarina e Paraná.

Durante a investigação, foram presas em flagrante 24 pessoas e foram apreendidos 706 kg de substâncias entorpecentes, quatro veículos e três armas de fogo. A Operação foi batizada de Maserati em alusão ao nome escolhido pela facção para identificar o Estado de Santa Catarina. A facção criminosa dava nomes de carros aos estados.

De acordo com o GAECO, as diligências tiveram a duração de nove meses. Investigações apontam que a intenção do grupo era expandir a atuação em Santa Catarina, com início nos municípios menores até o litoral para dominar o Estado. Os focos iniciais de expansão do grupo seriam São Miguel do Oeste, Chapecó e Dionísio Cerqueira.

“O objetivo da facção era expandir a sua atuação em Santa Catarina e começar essa expansão nas cidades menores até chegar no litoral. O foco estava nas cidades do extremo oeste pela proximidade com o Paraguai e Argentina e em Joinville por conta da proximidade com os portos de Santa Catarina, Paraná e com a capital Florianópolis”, afirmou a Coordenadora do Núcleo do GAECO São Miguel do Oeste, Promotora de Justiça Marcela de Jesus Boldori Fernandes.

Segundo a investigação, para gerir toda essa atividade criminosa, foram criados cargos e funções, tal qual uma empresa. Foram identificados 18 cargos, como, por exemplo, um específico para cadastros de potenciais faccionados, outro para gerir a venda de drogas e um para tratar de assuntos que envolviam todo o sistema prisional, entre outros.

No decorrer da investigação foram identificados e presos faccionados espalhados em diversas cidades dos estados do Brasil, mas que atuavam em Santa Catarina. Além da identificação dos faccionados, foram apurados onze homicídios, quatro tentativas de homicídio e diversos roubos.

Fonte: CLICRDC / Foto: Polícia Militar/Reprodução