Pai que matou a filha em Galvão tinha sido condenado por estupro da jovem, diz Justiça

O homem que matou a filha de 24 anos em Galvão, no Oeste de Santa Catarina, tinha sido condenado a 37 anos de prisão por ter estuprado a jovem, segundo o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). Porém, ele estava em liberdade porque aguardava a expedição do mandado de prisão. Antônio Marcos Pereira de Oliveira, autor do crime e que morreu durante a ocorrência, também assassinou o marido da filha, de 30 anos. As informações são do g1 SC.

De acordo com a Justiça catarinense, a primeira condenação por abuso sexual da filha ocorreu em março de 2022. Na época, a pena foi de 90 anos de prisão. Porém, após recorrer da decisão, a sentença diminuiu para 37 anos.

O homem, ainda, entrou com um novo recurso, que não foi reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O processo, que está em segredo de Justiça, voltou à comarca de origem em 12 de abril deste ano, onde entrou na fila para a expedição do mandado de prisão.

O assassinato de Poliana da Silva de Oliveira e Ewerton Bett de Oliveira ocorreu em 1º de maio. O pai dela, segundo a polícia, entrou no local e disparou contra os moradores. De acordo com o delegado Roberto Marin Fronza, o crime teria sido motivado por vingança por conta do processo.

— Pelas informações colhidas no local, tudo indica que o autor foi até lá por ter sido processado por sua filha por estupro — diz.