Petrobras anuncia dividendo de R$ 1,893 por ação e propõe mudança para permitir recompras; papel sobe 3,7%

A reta final do pregão desta quinta-feira (11) foi movimentada para os acionistas de Petrobras (PETR3;PETR4).

Na última hora da sessão, a companhia informou que seu Conselho de Administração (CA) aprovou o pagamento de distribuição de remuneração aos acionistas no valor de R$ 1,893577 por ação ordinária e preferencial em circulação, como antecipação relativa ao exercício de 2023, declarada com base no balanço de 31 de março de 2023 (dividendos e juros sobre capital próprio intercalares).

O valor, que totaliza R$ 24,7 bilhões, foi aprovado antes da divulgação do resultado do primeiro trimestre, que será feita mais tarde nesta quinta-feira.

O conselho determinou ainda que a diretoria executiva elabore proposta de adequação do planejamento estratégico em andamento e aprimoramento da política de remuneração dos acionistas da Petrobras, incluindo a possibilidade de recompra de ações, e submeta essas matérias à deliberação do colegiado até o final do julho de 2023.

“A remuneração aos acionistas aprovada está em linha com a atual Política de Remuneração aos Acionistas, que prevê que, no caso de dívida bruta inferior a 65 bilhões de dólares, a Petrobras poderá distribuir aos seus acionistas 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e as aquisições de ativos fixos e intangíveis (investimentos)”, disse a companhia.

A companhia, por sua vez, informou que, com relação à remuneração aos acionistas aprovada, o montante está alinhado à Política de Remuneração aos Acionistas vigente. A atual política prevê que, em caso de endividamento bruto inferior a US$ 65 bilhões, a Petrobras deverá distribuir aos seus acionistas 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e as aquisições de ativos imobilizados e intangíveis (investimentos). “Esta aprovação é compatível com a sustentabilidade financeira da companhia”, destaca o comunicado.

Valor a ser pago: R$ 1,893577 por ação ordinária e preferencial em circulação, sendo que:

(i) primeira parcela, no valor de R$ 0,946788 por ação ordinária e preferencial em circulação, será paga em 18 de agosto de 2023.

(ii) segunda parcela, no valor de R$ 0,946789 por ação ordinária e preferencial, será paga em 20 de setembro de 2023.

A data de corte é 12 de junho de 2023 para os detentores de ações de emissão da Petrobras negociadas na B3 e o record date será dia 14 de junho de 2023 para os detentores de ADRs negociadas na New York Stock Exchange (NYSE). Assim, as ações da Petrobras serão negociadas ex-direitos na B3 e na NYSE a partir de 13 de junho de 2023.

Para os detentores de ações de emissão da Petrobras negociadas na B3, o pagamento da primeira parcela será realizado no dia 18 de agosto de 2023 e o da segunda parcela no dia 20 de setembro de 2023. Os detentores de ADRs receberão os pagamentos a partir de 25 de agosto de 2023 e 27 de setembro de 2023, respectivamente.

Cabe destacar que, por volta das 15h50 (horário de Brasília) desta quinta-feira, pouco antes da divulgação do fato relevante, os  papéis da companhia passaram a subir mais de 3% em meio a especulações sobre o valor dos proventos. Posteriormente, os papéis tiveram a negociação interrompida pela iminência do fato relevante sobre os dividendos.

Cabe destacar que, com o resultado já considerado como “endereçado”, a grande expectativa do mercado era pelos proventos da companhia e pela futura política de dividendos com a nova gestão. 

Os papéis voltaram a negociar por volta das 16h35 com forte alta, com os ativos PETR4 fechando posteriormente com os ganhos mais expressivos, de R$ 3,67%, a R$ 25,43. JÁ PETR3 teve alta de 2,40%, a R$ 28,15.