PM baleado em assalto em Criciúma corre risco de sofrer danos neurológicos

O policial militar Jeferson Luiz Esmeraldino, de 32 anos, que foi baleado durante o assalto ao Banco do Brasil em Criciúma na madrugada de 1º de dezembro, voltou a apresentar um quadro grave de saúde e corre risco de sofrer danos neurológicos, informou a Policia Militar nesta quarta-feira (16). Ele segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São João Batista.

O soldado chegou apresentar melhora e a respirar sem a ajuda de aparelhos há uma semana, mas voltou a ter picos febris e, segundo boletim da PM, “segue inspirando cuidados intensivos e difícil descontinuidade da ventilação mecânica”. A nota divulgada pela PM ainda diz que o “cenário é de gravidade” em relação à saúde do policial militar.

Comandante da 6ª Região de Polícia Militar de Santa Catarina, coronel Evandro de Andrade Fraga, disse que os primeiros dias de recuperação do soldado foram de muito otimismo, devido ao grave ferimento que sofreu. No entanto, a estabilidade apresentada por Esmeraldino na primeira semana após ser baleado, estava vinculada à sedação e à ventilação mecânica.

O militar foi atingido no abdômen em um confronto com o comboio que havia atacado a sede do 9º Batalhão da Polícia Militar de Criciúma durante o assalto quase cinematográfico que abalou o estado catarinense no início deste mês. A viatura que Esmeraldino estava seguia até a agência bancária para averiguar um disparo de alarme, quando soube do ataque ao quartel e retornou.

O policial realizou três cirurgias no abdômen. Natural de Tubarão, o PM atua na 3ª Companhia na área do 9º BPM, e entrou para a corporação em 2016.

Fonte: NSC Total / Foto: Divulgação