Professores de escolas da rede estadual realizam mobilização em Chapecó

Professores realizaram uma manifestação, nesta terça-feira (18), em escolas estaduais em Chapecó (SC). As ações aconteceram em pelo menos duas unidades: Escola Básica Prof Nelson Horostecki, no centro e na Escola Lídia Glustack Remus, na Linha Alto da Serra. O ato foi em solidariedade aos demais educadores, que estão reunidos, em Florianópolis, em assembleia geral para tratar sobre o piso salarial do magistério.

Conforme o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte/SC), entre as reivindicações da classe estão: reajuste do piso de 2019 ( 4,17%) e 2020
de (12,84% ), na carreira do magistério; reajuste do Vale Alimentação para R$ 24 e contra a reforma da previdência.

Conforme a professora de Língua Portuguesa da escola Nelson Horostecki, Marcia Bianchi o objetivo é mobilizar e sensibilizar a comunidade escolar, a população, mas principalmente o governo estadual. A professora também destacou que a luta é justa e que é um direito o reajuste do piso no plano de carreira.


“O magistério catarinense se reúne em Florianópolis, em assembléia estadual, estamos nos mobilizando para que o governo estadual, cumpra a sua obrigação”, disse.


Ação realizada na escola Nelson Horostecki – Foto: Divulgação/ClicRDC


A ação também aconteceu na escola na Escola Lídia Glustack Remus, que fica localizada na rua do Comércio, na Linha Alto da Serra, em Chapecó (SC)


Ação realizada na Escola Lídia Glustack Remus


O secretário adjunto da Secretaria da Educação do estado, Vitor Fungaro Balthazar comentou que o governo conversa com os representantes sobre o reajuste salarial. Ele destacou ainda que o diálogo tem sido bastante tranquilo e transparente.


“Ontem (segunda-feira), fizemos uma proposta – um reajuste na ordem de 3,14% já sendo aplicado a partir de maio. É uma proposta inicial, mas estamos com o diálogo aberto e essa negociação continuará. Temos certeza que atenderemos tanto ao desejo do profissional, quanto ao desejo da sociedade de que o recurso seja empregado de uma maneira responsável. Não podemos nos comprometer com uma folha tão grande, que é a da Educação, se nós não vamos ter o recurso para sustentar”, diz o secretário adjunto.

Fonte: ClicRDC