QUE FIM LEVOU O TESLA ROADSTER QUE FOI ENVIADO PARA O ESPAÇO?

No dia 6 de junho de 2018 o empresário Elon Musk reforçou sua fama de marqueteiro ao lançar seu próprio Tesla Roadster a bordo do foguete Falcon Heavy em uma chamativa transmissão global via internet. O esportivo elétrico de uso pessoal do executivo foi lançado no espaço em um teste da aeronave que, espera-se, um dia levará humanos a Marte.

Cálculos  de  cientistas  estimam  que  o  Tesla esteja a mais de 237 milhões de quilômetros da Terra, voando a 61.400 km/h. Sua órbita ao redor do Sol só passará próximo de nós por volta de 2091, mas dificilmente vai sobrar muita coisa para resgatar até lá.

Ao  contrário  do  “motorista” equipado com a nova geração de trajes espaciais, o Roadster não recebeu nenhum tipo de proteção especial, o que pode significar uma morte lenta e prolongada ao (até agora) único automóvel feito na Terra que circula pela Via Láctea.

Apesar de o ambiente sem oxigênio evitar qualquer ferrugem, os raios infravermelhos e ultravioletas do Sol serão destrutivos ao Tesla. A pintura do elétrico perderá a cor gradualmente, enquanto pneus e outros polímeros ficarão quebradiços. Caberá à radiação destruir todos os circuitos eletrônicos, inutilizando o esportivo. Isso, claro, se nenhum meteorito colidir com o módulo que carrega o Roadster por aí.

Ficha Técnica

Motor: Traseiro, transversal, elétrico, trifásico
Potência: 292 cv a 5.000 rpm
Torque: 40,8 kgfm a 1 rpm
Câmbio: Transmissão direta, tração traseira
Direção: Elétrica
Suspensão: Independente, duplo A
Freios: Discos ventilados
Pneus: 175/55 R16 (dianteira) e 225/45 R17 (traseira)
Dimensões:
Compr.: 3,94 m
Largura: 1,85 m
Altura: 1,13 m
Entre-eixos: 2,35 m
Bateria: Íon-lítio, 53 kWh
Peso: 1.238 kg (sem astronautas)