Saiba o que o governo estuda liberar em Santa Catarina a partir do dia 13 de abril

O estudo de flexibilização de atividades econômicas em Santa Catarina anunciado pelo governador Carlos Moisés da Silva para a partir da próxima segunda-feira, 13 de abril, vai analisar a liberação de três grupos que continuam com restrições de funcionamento. São eles: bares, restaurantes e hotéis; ramo de calçados, roupas, tecidos, bijuterias e afins; e eletrodomésticos, móveis, informática, entre outros. Estas atividades estão paralisadas total ou parcialmente desde 17 de março por conta do decreto estadual com regras de isolamento por conta do novo coronavírus.

Coronavírus: governo de SC lança edital para instalação de hospital de campanha com 100 leitos de UTI

– Vamos deixar tudo pronto para a liberação destes setores, com regras bem restritivas (de saúde) a exemplo dos outros setores que já estão recebendo a liberação. A ideia não é estimular que as pessoas vão para a rua – afirmou o chefe da Casa Civil, Douglas Borba, que coordena o grupo intersetorial que se reúne diariamente para discutir a questão econômica e a retomada das atividades.

Santa Catarina tem mais quatro mortes por coronavírus e quarentena é prorrogada por mais cinco dias

Conforme Borba, a regra principal para o estudo de liberações é aquilo que não cause aglomeração. Aqueles setores que envolvam acumulo de pessoas em ambientes não terão autorização para funcionar neste momento como shoppings e igrejas, por exemplo. Com a quarentena renovada por cinco dias no Estado, a ideia é analisar o “cenário saúde” até domingo, que é o prazo final.

O governo diz que a orientação do Ministério da Saúde da última segunda-feira (7) sobre o retorno das atividades em Estados e municípios que estão adiantados nas regras de isolamentos dá mais segurança para a decisão de liberações. “Até aqui o governo vem obedecendo o que a Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde vem recomendando”, justificou o chefe da Casa Civil.

Nesta quarta-feira (8) começaram a funcionar os estabelecimentos ligados à cadeia automotiva como mecânicas, despachantes, autoescolas e lavações. As lavanderias também receberam autorização para operar.

Restrições em cidades

Segundo Borba, mesmo com a decisão de liberação de novas atividades econômicas em Santa Catarina, os municípios com mais casos e que merecem mais cautela podem adotar regras próprias de restrição. “Não há disputa entre o Estado e os municípios”, afirmou. Nesta quarta-feira, o chefe da Casa Civil do Estado entrou em contato com o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, para dividir essa informação e ainda colocar a estrutura do Estado à disposição.

A Capital é a cidade com o maior números de casos da doença em Santa Catarina. Borba não descartou um ato em conjunto entre Estado e a prefeitura o anúncio de medidas específicas.